Visitando templos de Bangkok

Acordamos nos sentindo sagazes e resolvemos nos aventurar por um barquinho simpático que nos pareceu ser um meio de transporte público bastante eficiente. Qual não foi nossa surpresa ao descobrirmos que nossa querida embarcação na verdade flutuava num rio de esgoto (não muito diferente da nossa Baía de Guanabara, para sermos justos).

Após nossa locomoção fluvial, pegamos um táxi e experimentamos pela primeira vez o famoso congestionamento tailandês. Próximos ao Grand Palace, decidimos acatar a sugestão de nosso condutor e fizemos o resto do trajeto a pé.

Dentro do GP, caos e muito calor. As construções são muito bonitas e imponentes, mas a sensação de excursão da Disney incomoda, e muito. É gente demais, um calor insuportável e os funcionários não são muito simpáticos.

Tenha o cuidado de ir com os ombros cobertos, pois nem mesmo com uma echarpe sobre eles sua entrada será permitida. Você terá que retornar à entrada, pegar uma nova fila e alugar uma peça de roupa por 200 THB (o dinheiro é devolvido no final da visita). Ou seja, de forma alguma aja como se estivesse sensualizando em Ipanema. Você será barrada.

Os funcionários, de forma incompreensível, mentem para o turista e afirmam que está tudo fechado – o templo e o aluguel de roupas -, mesmo você vendo, bem à sua frente, pessoas entrando no GP e alugando vestimentas. Além disso, a admissão custa 500 THB (R$ 50) por pessoa e não aceitam cartão.

Grand Palace

Depois fomos ver o Buda deitado, num templo muito mais tranquilo. Lá você tem a oportunidade de dar uma respirada, apreciar o local e o Buda, e, quem sabe, até mesmo dar uma meditada. E por apenas 100 THB (R$ 100) por cabeça. Quando nos demos por satisfeitos, tentamos pegar um táxi para voltar. Aí começou uma nova aventura.

Wat Pho

Conseguimos, acreditando que por obra do Senhor, pegar um táxi. Entramos e o ar-condicionado nos deu as boas-vindas, mas este sonho seria por pouco tempo. Ao perguntar para onde iríamos, o taxista se recusou a rodar mais cinco metros que fossem por causa do congestionamento. Parou e, muito educadamente, nos pôs para fora de seu veículo.

Após sermos recusados por dezenas de taxistas, resolvemos apelar para os tuk tuks. Tentamos por uns 20 minutos, até que chegamos à conclusão de que não conseguiríamos voltar ao nosso hotel por um preço honesto.

Desistimos e, graças ao nosso Guia de Turismo e a nossos cérebros GPSianos altamente evoluídos, fomos por uma rota alternativa. Pegamos um outro barco que também seguia por um outro rio de esgoto até a Estação Central. Tudo isso sem saber quanto custava a passagem, se comprávamos antes ou pagávamos no barco, se estávamos na rota correta etc.

 IMG_0175

Chegamos ao destino final – o hidroviário, pelo menos – e pegamos o metrô. Ao entrarmos no vagão, o Nirvana: aquele ar-condicionado amigo, que te conforta e faz com que você se sinta mais humano e menos um trapo de gente.

Dito isto, devemos confessar que, após desistirmos dos táxis e dos tuk tuks, chegamos tranquilos ao hotel. Naquele momento, o banho se fazia mais do que necessário.

Dica importante: tente sempre se hospedar perto de estações de metrô e barco, pois o trânsito é muito ruim.


Grand Palace
Address: Na Phra Lan Rd, Phra Nakhon, Bangkok, 10200, Thailand
Price: 500 THB = R$ 50 = US$ 15,57

Wat Pho
Address: 2 Sanamchai Road, Grand Palace Subdistrict, Pranakorn District, Bangkok 10200, Thailand
Price: 100 THB = R$ 10 = US$ 3,07

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s